segunda-feira, 6 de abril de 2009

Cães e meu sincero amor...

Sempre gostei de cachorros... Sempre! Mas eu era mais “normal” quanto a isso há uns anos atrás... gostava com moderação e posso dizer que sofria bem menos.
Meu problema com cachorros de rua (uma dó incontrolável) teve dia e hora marcados. Estávamos almoçando num restaurante perto de casa e uma cachorrinha de rua, linda e branquinha nos olhada pelo lado de fora. A carinha daquela criatura foi me chamando a atenção e a vontade que eu tinha era de carrega-la pra casa. Até que um cachorro preso, num depósito de materiais de construção do outro lado da rua, começou a latir. Essa cachorrinha saiu disparada para o outro lado da rua e foi atropelada. Eu ouvi aquele grito e foi como se alguém tivesse me apunhalado o coração, tamanha a dor que senti no peito. Chorei copiosamente... de soluçar. Ela não morreu, saiu correndo e minha irmã e meu cunhado foram atrás (nessas horas fico inerte), mas ela não deixou que eles a pegassem, estava nervosa, claro, e com a boca sangrando.
Depois desse dia eu não posso mais ver um cachorro na rua. E como se não bastasse, eu não vejo um, e sim vários todos os dias... o que me faz sofrer muito e ter certeza de que nem terapia cura isso mais.
Nos arredores da Universidade que trabalho, e até no interior dela, ficam muitos cachorros. Acredito que a possibilidade de ganhar comida é grande, então o lugar é bastante atrativo. Um dos cachorrinhos que vivem por aqui eu o vejo desde julho do ano passado, sempre trago um pãozinho pra ele, brinco um pouco, às vezes ele some. Quando ele sumiu por muito tempo e eu o encontrei na rua, sentei na calçada com ele e comecei a chorar. Liguei para a minha irmã e ela deixou que eu o levasse para um lote dela. Mas ele não quis... ele não deixou eu pega-lo de jeito nenhum. Acho que sofrem tantos maus tratos que já ficam ressabiados quando alguém estende a mão. Mas com esse eu me conformei, pois ele realmente sabe viver na rua. Impressionante. Pois já o vi em pontos extremos do bairro.
Mas agora tem outro que me faz sofrer horrores... é um cachorro preto, cara e porte de labrador, que está vivendo no estacionamento da Universidade. Ele parece que foi abandonado e está doente, parece ser velho também, tem as juntas calejadas e o focinho começa a ficar branco. Ele está magro e tem uma cara muito tristinha. Sempre que posso trago algo de comer pra ele... e hoje trouxe um pratão de comida na hora do almoço e água. Gente! Se vocês vissem a felicidade desse cachorro em comer aquele prato que eu trouxe vocês não acreditariam. Ele me olhava incrédulo, cheirando, querendo mais... ele devia estar com muita fome... muita mesmo.
Como não tenho condições de ter o meu sonhado sítio para abrigar todos os cachorros do mundo, resolvi começar a ajudar uma ONG doando ração e, quem sabe, convencendo outras pessoas que também gostam a fazer o mesmo.
Aí, ainda na hora do almoço, mandei um e-mail para a ONG para ver se eles têm uma solução para o meu Grandão. Ele é muito dócil... precisa muito de ajuda e carinho. Até mesmo porque ele parece sentir dor, está meio “descadeirado”. Espero que eu tenha uma resposta positiva...

ONG: Cão viver.

5 comentários:

Lulu on the Sky® disse...

Amo cachorro tb e me parte o coração ver qq cão maltratado.
Big Beijos

Blog do Mario Mello disse...

OI - Pq vc nao coloca aí um link do meu blog...eu ja coloquei do seu ...bjus..

http://blogdomariomello.blogspot.com

Julis disse...

Lu posso te entender perfeitamente pq eu sou como vc, esses dias eu andei dando ração pra um cachorro que apareceu na rua e agora ando com um saquinho de ração na bolsa, o dog que eu encontrar eu dou rsrsrs, ai ai, essas Franciscanas

LSD disse...

Tenho essa foto em meu blog também! kkkk

Carla disse...

Não desista do Grandão, nem de qualquer outro animalzinho que te peça ajuda.
Eu tenho uma "ong" familiar, de tanto que todos aqui de casa amam animais (pai veterinário, não tínhamos como escapar mesmo).
Recolhemos, sempre que possível, cuidamos, amamos, achamos novas casas.
E a cada conquista dessas o coração enche de muito amor e uma sensação absurda de que tudo pode melhorar.
Afinal, eles só querem amar... sem nada em troca. E isso é uma lição e tanto para todos os seres humanos. Amar sem limites e sem exigência.
Acho que todos que amam verdadeiramente os animais têm esse sonho doido de ter um mega sítio pra recolher todos aqueles que precisarem. Mas enquanto o sítio não vem, um gesto simples de cuidado, de carinho, de atenção já é enooooooorme perto do abandono e falta de amor que eles enfrentam diariamente.
A gente sofre? Nossa... como a gente sofre. Mas todo sofrimento fica muito pequeno quando um narizinho gelado encosta na tua boxexa (ou bochecha?) e te agradece com uma lambida.
Para não.. vai em frente, faz o que pode fazer e vc vai ver que cada vez vai poder fazer mais.
Boa sorte. :)

 
eXTReMe Tracker